Qual é a melhor Graviola?

Nós comparamos os três produtos mais notáveis do mercado e ...

Graviola para cancro da mama

Cara leitora.

Se estás aqui é porque provavelmente encontraste um nódulo no teu peito que não estava lá antes, ou alguém à tua volta, talvez mesmo tu própria, foste diagnosticada com cancro de mama. Não te preocupes, primeira coisa?

 

Respira!

Vamos rever brevemente as coisas que deves saber e, no geral, não se esqueça que o cancro da mama é um dos que tem a maior taxa de cura. Nós vamos chegar lá, não estás sozinha!

A Graviola cura o cancro da mama?

Atualmente, existem inúmeros estudos que provam que a Graviola é um suplemento extremamente eficaz utilizado juntamente com o tratamento habitual para combater o cancro da mama. As numerosas propriedades da gravioleira, entre as quais a capacidade de se alimentar de células cancerosas, contribuem significativamente para reduzir e até mesmo eliminar os tumores. Recomendamos tomar “Graviola Prozono

Encontra os estudos abaixo

O que é que devo saber sobre o cancro da mama?

Prevenção

Não há nenhum método que previna 100% o cancro da mama. No entanto, está provado que viver um estilo de vida saudável, exercitar pelo menos 4 horas por semana e ter uma dieta equilibrada, reduz o risco de o obter.

Por outro lado, se 2 ou mais casos de cancro da mama apareceram entre os seus familiares próximos, deves mencionar isso ao teu médico para que eles possam realizar um teste genético em ti para determinar se tens mais chances do que o “normal” de contrair esta doença, devido a uma mutação genética.

Causas

Falar sobre as causas do cancro da mama é complicado.

A causa mais estabelecida é a genética. É por isso que é muito importante que discutas com o teu médico se ocorreram 2 ou mais casos na tua família, tal como mencionado anteriormente.

Quanto ao resto das possíveis causas, viver uma vida sem exercício físico e com uma dieta rica em gorduras e açúcares também têm sido Fatores de risco associados.

Sintoma

O mais óbvio é encontrar um caroço na área do peito ou na axila. Portanto, realizar auto-exames uma vez por mês é muito importante. Também encontramos outros sintomas, tais como..:

  • Inchaço, áreas vermelhas ou dor persistente na área do peito.
  • Alterações no tamanho da mama.
  • Descarga do mamilo.
  • Alterações externas no mamilo, como úlceras, crostas ou escamas na área.
  • Covinhas ou rugas na pele

Tipos

Os tipos de cancro da mama são definidos considerando a origem e o grau de invasão:

  • Carcinoma Ductal In Situ: É o menos agressivo por se originar nas paredes dos ductos mamários; muito localizado (focal), facilmente excisado e não causa metástase. A taxa de cura é de quase 100%.
  • Carcinoma Ductal Infiltrante ou Invasivo: É o mais comum. Também se origina nos ductos mamários, mas infiltra-se no resto do tecido mamário e pode espalhar-se.
  • Carcinoma Lobular In Situ: Não é um cancro em si, mas um mercado de risco. As pessoas com este tipo têm um alto risco de desenvolver a doença. Quando detetada, a paciente deve ser submetida a exames anuais para detetar um potencial desenvolvimento precoce do cancro da mama.
  • Carcinoma Lobular Infiltrante ou Invasivo: Este tipo de cancro começa no ácino mamário, que é onde o leite é produzido durante a lactação. Pode espalhar-se pelo resto dos tecidos do corpo.
  • Carcinoma Inflamatório: Este tipo é bastante agressivo e de rápido crescimento. Apresenta sintomas bastante evidentes, como vermelhidão da pele e aumento da temperatura, rugas na pele e aparecimento de protuberâncias. Felizmente, é um cancro muito raro com apenas 1% de taxa de ocorrência.

Diagnóstico

Existem vários métodos para o diagnóstico. O seu especialista decidirá qual é o mais adequado em cada caso. Os principais são:

  • Mamografia
  • Ultrassonografia
  • IRM

São testes não invasivos, que se concentram em descobrir se existe algum tipo de protuberância e se o seu aspecto pode ser suspeito de ser maligna ou não.

Biopsia

Embora existam vários tipos, podemos basicamente falar de um teste invasivo, pois ele retira uma amostra do tecido suspeito que é posteriormente analisada para verificar, definitivamente, se é carcinogénico ou não.

Tratamentos

Isto é na verdade difícil de estabelecer, uma vez que, felizmente, a ciência continua a fazer progressos para melhorar os tipos de tratamento. Os mais comuns são:

  • Intervenção cirúrgica A mama afetada é operada para remover o caroço. Pode acontecer que, ao abrir o peito, sejam descobertas áreas mais afetadas e o tratamento mais seguro seja a remoção de toda a mama.
  • Radioterapia Em geral, este tipo de tratamento consiste em submeter a mama afetada a radiações de todos os tipos de raios-X para eliminar possíveis células cancerosas que o cirurgião não tenha sido capaz de ver. Os pacientes são geralmente submetidos à radiação diária durante cerca de 5 semanas. O seu principal efeito é a vermelhidão da pele.
  • Quimioterapia É administrada por via oral ou através de injeções intramusculares ou intravenosas. Tal como a radioterapia, o seu principal objetivo é matar as células cancerosas. Os seus principais efeitos secundários são a queda de cabelo, náuseas e perda de apetite
  • Outros tratamentos
    Existem outros tratamentos, como as hormonas, cujo objetivo (em geral) é controlar o estrogénio, que é uma hormona necessário para que o tumor se reproduza.

    Há também outros tratamentos, como a terapia direcionada, que se caracteriza por administrar ao paciente um tratamento que é “treinado” para matar células cancerosas.

Podes achar interessante...

Share This